Esta Matéria não tem vídeo
Deputada federal Flávia Arruda (PL-DF)
Deputada federal Flávia Arruda (PL-DF)
Esta Matéria não tem 
vídeo

 

“Sou cristã, defendo a vida.

Mas o que está consagrado na lei, em caso de estupro e risco
para a mãe, deve ser respeitado”, diz Flávia Arruda


Brasília - Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, na edição da última quarta-feira, 19, a deputada federal Flávia Arruda (PL-DF), comentou a interrupção da gravidez de uma menina de 10 anos e disse ser a favor da vida, mas, que neste caso de estupro, a lei tem de ser respeitada.

Recentemente veio à tona a história de uma menina de 10 anos que engravidou após ser estuprada pelo tio, no Espírito Santo. Na última segunda-feira, 17, a justiça autorizou o aborto.

Ao ser questionada sobre qual crime seria mais grave; o estupro ou ter um bebê aos 10 anos fruto do mesmo, a liberal foi objetiva. “O crime é o estupro. O problema que tem de ser enfrentado é que, a cada quatro horas, uma menina entre 9 e 14 anos é estuprada no Brasil. Essa é a questão fundamental que tem de ser enfrentada. Como o Estado pode proteger essas crianças e quais as políticas públicas para combater esse crime hediondo. E a segunda violência contra aquela menina, ao condenar o aborto para evitar um parto que poderia matá-la?”, indagou.

Apesar de se tratar de um tema delicado para se tratar no âmbito político e social, tendo em vista as mais variadas opiniões, a parlamentar defendeu a bandeira cristã, mas, reconheceu que no caso da criança violentada desde os 6 anos de idade, a interrupção da gestação deve ser respeitada, pois está amparada por lei.

“Sou cristã, defendo a vida. Mas o que está consagrado na lei, em caso de estupro e risco para a mãe, deve ser respeitado. É um absurdo polarizar esse caso e ainda expor essa criança a uma segunda agressão. O aborto nesse caso está previsto no Código Penal. Há que se cumprir a lei, nesse caso salvando uma menina de 10 anos de idade”, alegou.

Ainda durante a entrevista, Flávia Arruda aproveitou para esclarecer em que situações o aborto é autorizado pela justiça, e questionou sobre a falta de respeito para com opiniões diversas em nosso País.

“A lei brasileira garante como direito a essa mulher nos casos de estupro, anencefalia e risco de morte para a mãe. Mas o foco da discussão está equivocado. O problema real a ser enfrentado é o abuso sexual contra crianças. O país caminha para uma radicalização em que ninguém respeita mais a opinião de quem pensa diferente. É um absurdo polarizar esse caso e ainda expor essa criança a uma segunda agressão. O aborto nesse caso está previsto no Código Penal. Há que se cumprir a lei, nesse caso salvando uma menina de 10 anos de idade”, finalizou a liberal.



Fonte: Correio Braziliense



Veja Todas as Notícias do PL Mulher

 

 

© - 2019 - plmulher.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site Desenvolvido pela LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
Veja nosso Facebook
Veja nossos Vídeos no Youtube
veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram Crônicas da Mulher Liberal Deputadas Federais e Estaduais do Partido Liberal Veja todas as Notícias do PL Mulher